sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Características Psicológicas dos Pugs


Li na internet que os pug’s são ótimos cães de guarda, apesar de serem cães de companhia. Tomando como base a minha pug, a Rebeca Flor, não consigo imaginar o pug como um cão bravo que defenda a casa. Minha pug tem um ano e três meses e nunca apresentou nenhum tipo de agressividade, o máximo que ela faz é latir para algum cachorro da vizinhança que já esteja latindo. Mas, se alguém souber de algo que eu não sei, estou aberta a discussões.

Os pug’s não são nada tímidos, são muito dóceis, amigáveis e brincalhões. São ótimos com crianças que tem medo de cachorro, pois costumam dar-se bem com todos aqueles que o cercam. Buscam fazer amizade com as pessoas, e, pelo menos a Rebeca, não entende o porquê de algumas pessoas não quererem tocar nela, ou que ela chegue perto, normalmente são pessoas que possuem algum tipo de trauma, quando adultos, ou quando crianças por falta de “intimidade” com cachorros, ou por desconhecimento. Seu porte pequeno e sua postura amigável de procurar as pessoas para brincar ajudam as crianças a “destravarem”.

Não costumam demonstrar sinais de agressão. São muito enérgicos, apesar de se cansarem logo. Não precisam de muito tempo de exercícios por dia, meia hora de brincadeiras, ou caminhada já é o suficiente. Dão-se bem com crianças e outros animais, principalmente quando criados desde pequenos, porém, mesmo que não o sejam não tem problema, pois eles se adaptam facilmente a qualquer tipo de ambiente entre pessoas estranhas.


Li que podem se mostrar um pouco ciumentos principalmente com estranhos, mas o único problema da Rebeca com estranhos e conseguir impedir que ela se jogue nas pessoas, pois eu acredito que ela ache que as visitas veem para brincar e acariciar ela!

Os pug’s são muito apegados ao dono, portanto você terá uma sombra dentro de casa, onde o dono vai, o pug vai atrás! Não gostam de ficar tempo demais sozinhos, isso quer dizer que se você não vai ter tempo diário para passar e passear com seu cachorro, esqueça a idéia de ter um pug, ou, creio eu, qualquer outro cachorro, afinal todos eles precisam de exercícios e carinhos diários.

Não late à toa, e quando late seu latido não é estridente, pelo contrário, é um latido rouco, que meus vizinhos nem ouvem, nem sequer lembram que tem cachorro no prédio.

Laura V. V.