segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Cão morre após atraso em voo entre São Paulo e Vitória, diz dono





Um cachorro da raça pug, chamado Santiago, morreu na terça-feira (13), depois de viajar de avião de São Paulo para Vitória. De acordo com o dono, o cão teria morrido de parada cardiorespiratória por ter ficado mais de 10 horas em um lugar fechado, tempo maior que o previsto por causa de um atraso no embarque. Em nota enviada ao G1 nesta segunda (19), a empresa GOL Linhas Aéreas Inteligentes disse que realizou uma “apuração interna” e vai prestar esclarecimentos aos envolvidos.


De acordo com o esteticista de cães e dono de Santiago, Fabio Cesar dos Santos, ele e a mulher são de São Paulo, mas moram em Vila Velha, no Espírito Santo, desde janeiro. "Os meus três cães ficaram com a minha mãe em São Paulo, mas precisei resolver umas questões pessoais e aproveitei para buscar os meus animais", contou o esteticista.


Segundo Fábio César, ele se informou com a GOL como proceder para transportar os três animais. "Fui informado que poderia levar apenas dois. Depois pediram para eu preencher um formulário pela internet para a liberação do terceiro cão. Às 5h30 de terça-feira (13), eu, a minha esposa, as duas cachorrinhas e Santiago chegamos ao aeroporto de São Paulo. Os funcionários levaram os três cachorros e os colocaram em caixas, depois disso só fui ver Santiago quase morto", detalhou o dono do cão.

Ele contou que a viagem seria às 7h, mas, por problemas com o transporte do terceiro cão, a viagem foi transferida para o voo das 10h50, do mesmo dia. "Este voo atrasou mais de 3 horas, comecei a ficar preocupado com o calor que fazia, já estava ficando desesperado. Pedi aos funcionários da GOL para ver nossos cachorros, porém todas as vezes era informado que o regulamento não me autorizava vê-los. Minutos depois fui informado que os cães estavam bem", contou Fábio Cesar.
De acordo com o esteticista de cães, o desembarque no Aeroporto Eurico Salles, em Vitória, só aconteceu às 15h. Quando os animais foram entregues, Santiago estava com a respiração ofegante. "Saímos do aeroporto e fomos em busca de atendimento, mas ele não resistiu e morreu por parada cardiorespiratória. Quando a veterinário viu Santiago disse que a respiração já era um sintoma ruim, ainda tentaram reanimá-lo, mas foi tudo em vão. O meu cachorro tinha 3 anos e meio, era saudável, nunca me deu trabalho, era um amor de cachorro. Não sei ainda como vou contar para a minha mãe que ficou com ele nos últimos meses", contou.
Segundo o dono do cão, o Serviço de Atendimento ao Consumidor da GOL pediu para ele anotar um protocolo e informou que até terça-feira (20) eles dariam uma reposta sobre a morte de Santiago. "Ligamos para a assessoria de imprensa, que se mostrou empenhada, mas a única coisa que nos disseram foi: a Gol sente muito pelo ocorrido", desabafou Fábio.
A empresa GOL Linhas Aéreas Inteligentes, que fez o transporte dos animais, disse que lamenta profundamente pelo ocorrido. Disse ainda que um de seus diretores fez contato com o cliente na semana passada, pediu desculpas em nome da companhia, forneceu informações sobre a apuração interna e se colocou à disposição para prestar todo o suporte possível. Durante esse contato, o cliente se reservou no direito de falar somente por meio de seu advogado. Em respeito a isso, a GOL disse que prestará os esclarecimentos diretamente aos envolvidos.

De acordo com o veterinário Anderson Tozi, os cães da raça pug apresentam dificuldades para respirar. "Pode não ter sido o motivo da morte desse cachorro, mas animais desta raça possuem um focinho muito chato e por isso tem dificuldades para respirar em comparação com outras raças. As condições do transporte também devem ser analisadas. O cão precisa de muito oxigênio para fazer uma viagem longa de avião", explicou o veterinário. Anderson Tozi acrescentou, que animais ficam, naturalmente, sem beber e comer alguma coisa por horas e esse motivo deve ser descartado.

Fonte: G1 - 19/09/2011 - 13:44