segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Instinto Selvagem - Rebeca X Carniça

Fui passear ontem com a Rebeca. Quando chego nas praças eu solto ela para ela cheirar as coisas, correr e brincar com os outros cachorros.
Ontem ela achou algo bem desagradável para se esfregar. Quando eu vi que ela ficou empolgada demais com algo que encontrou, eu saí correndo e gritando: NÃO, PARE, REBECA, NÃO, ..., mas não adiantou, ela não estava longe, mas eu não cheguei a tempo, ela deu uma esfregada gostosa na carniça que encontrou no chão. Quando eu olhei, ela tinha arrancado a pele do animal morto e os vermes gordos estava aparecendo, o mau cheiro era tanto que eu nem parei pra analisar que animal era. Provavelmente um pássaro, mas não estava mais muito reconhecível. Eu olhei no corpo da Rebeca pra ver se algum verme tinha ficado grudado nela, vi que havia ficado um pouquinho da matéria decomposta. Eu soltei um palavrão bem alto e corri pra casa lavar ela. Foi minha primeira decepção com a Rebeca, pois ela não me ouviu, não me obedeceu. Foi como se ela estivesse em transe. Quando ela sentiu o cheiro da carniça ela não queria saber de mais nada a não ser se esfregar nela.
Eu só fiquei pensando, mas que instinto mais maldito, pra que se esfregar em cocô, carniça, coisas nojentas e fedidas? Aí eu encontrei uma explicação na internet, que esse hábito disfarça o seu cheiro para que possíveis presas não identifiquem a sua aproximação. Então é isso, agora que a Rebeca não está mais fedendo carniça, que fede mais do que qualquer cocô, a raiva passou, mas a decepção de ver a minha princesinha me desobedecendo e fedendo muuuuuuito, insuportavelmente,  foi grande.

Rebeca, você se esfregou na carniça?

 Me esfreguei, né, mamãe.