terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Pensamento do Dia


"A grandeza de uma nação pode ser medida pela maneira que seus animais são tratados."
(Mahatma Gandhi)

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Dorgas

DORGAS...
LARGUEI AGORA SOU TARADÃO


domingo, 29 de janeiro de 2012

Bolo de Pug

Encontrei na internet alguns modelos de bolos com o tema pug, a maioria feitos com pasta americana.
Esse site aqui até ensina o passo-a-passo de como montar um!

Transcrevo abaixo o retirado do site http://www.luvtocake.com.br/:

"Modelagem
Para quem tiver interesse em aprender a modelar o cachorro pug em pasta americana segue passo a passo.
01 - Tinja a pasta com um pouco de marrom, para que a cor do corpo seja beje. Para fazer o corpo modele uma coxinha e deite sobre o bolo. Para colar o corpo ao bolo passe um pouquinho de água.
02 - Para fazer as patas modele pequena coxinha para cada pata. Aperte a parte mais gordinha e faça três riscos com a ajuda de um bisturi. Passe um pouquinha de água no local onde irá colar as patas.
03 - Faça uma bolinha para a cabeça e cole ao corpo. Para fazer o rabo, modele um pouco de pasta no formato de cobrinha e dobre como uma rosquinha, cole ao corpo.
04 - Para os detalhes do rosto do pug tinja a pasta na cor marrom escura. Para cada olho faça uma pequena bolinha, amasse e cole ao rosto. Na primeira parte da boca faça uma cobrinha, amasse e cole ao rosto, formando um sorriso.
05 - Na segunda parte da boca, modele outra cobrinha com a pasta marrom, dessa vez maior do que a primeira e cole na parte superior da boca. Ajeite a boca conforme cola ao rosto e depois faça furinhos com a ajuda de um palito de dentes. Com um pedacinho de pasta na cor preta faça pequena bolinha e cole no olho.
06 - No olho ainda irá detalhe marrom e branco e falta o fucinho preto sobre a boca.
07 - Segue foto do cachorro finalizado sobre o bolo, com as orelhas. Para fazer cada orelha faça um coxinha com a pasta marrom, amasse com os dedos e cole sobre a cabeça.










"

E coincidentemente o bolo foi feito para uma Rebeca!
No mesmo site tem um outro modelo de topo de bolo de pug, que o proprietário diz ter criado por causa do seu cachorrinho pug, aí vai:


Não é super fofo?
Tem esse outro aqui que encontrei em um blog chamado Maria Carrossel - Doces http://mariacarrossel-doces.blogspot.com/. Gente que sabe fazer essas coisas faz muito bonito!


Estou pensando em aprender e fazer no aniversário da Rebeca, se fizer eu coloco as fotos aqui, mas não vão ficar esperando que fique igual esses daí né, afinal eu nunca fiz.

Esses aqui são do site AsSucar Festas: http://assucarfestas.blogspot.com/






Esse é do site Açucareiro http://acucareirodoces.wordpress.com/:


Esse eu peguei em algum lugar na web e não gravei o nome do site, se alguém souber me diga, pois não posso pegar sem citar a fonte:


Fica a idéia pra quem quiser comemorar o aniversário do seu pug. Se fizerem mandem as fotos pra gente publicar aqui no Blog da Rebeca Flor.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Primeiros-socorros – Produtos químicos


Lesões por produto de limpeza que caem sobre o animal podem causar queimaduras. Nesse caso, lave o local com água corrente fria por cerca de 15 minutos. Se o produto cair no olho do animal, o dono deve lavar o local com água corrente e solução fisiológica. Produtos em pó devem ser protegidos dos olhos, focinho e boca do animal, e a maior parte possível do produto deve ser retirada pelo dono com um pano. Para agentes em pó, não molhe a boca do animal para evitar a absorção do produto e encaminhe o pet ao veterinário.

Fonte: http://blogs.jovempan.uol.com.br/petrede/primeiros-socorros-produtos-quimicos/

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Cães sabem quando estamos falando com eles, diz estudo

"Cachorros adultos compreendem a linguagem como bebês humanos.
Pesquisa húngara foi feita com animais criados entre nós.

Uma pesquisa húngara publicada online nesta quinta-feira (5) pela revista científica “Current Biology” afirma que os cachorros sabem quando estamos falando com eles. Quando vivem entre humanos, os animais, na fase adulta, têm uma leitura dos sinais semelhante à dos nossos bebês.

No estudo, os cientistas levaram em conta o olhar dos cães. Uma pessoa em um vídeo virava o corpo em direção a um objeto na tela. Se, antes disso, o ator tivesse chamado a atenção dos animais, eles acompanhavam esse movimento.




Os cachorros não têm habilidades linguísticas, e, portanto, não entendem o significado das palavras da mesma forma que nós. Mas os animais que vivem entre nós conseguem aprender alguns aspectos do comportamento humano e ligá-los às consequências.

“Por exemplo, dizer seu nome – comunicação verbal por parte do dono – tem um significado comunicativo especial para o cão: significa que ‘algo interessante vai acontecer’ ou ‘o dono vai dar uma ordem’, e por isso vale a pena prestar atenção”, afirmou ao G1 József Topál, da Academia Húngara de Ciências, líder da pesquisa.

O processo não é natural e depende da convivência dos cães com os humanos.

Na pesquisa, foram usados animais de estimação ou que trabalham com humanos – em operações policiais ou orientação de cegos, por exemplo. “O processo de socialização afeta o desenvolvimento cognitivo e a emergência de diferentes habilidades cognitivas e sociais em cães”, indicou Topál.

Por isso mesmo, leva um tempo até que cada animal desenvolva essa capacidade. Segundo o pesquisador, ela não surge antes dos seis meses de vida do cão.

A capacidade desenvolvida pelo cão faz também com que ele tente se comunicar de volta com seus criadores. “Pesquisas recentes mostraram que cães produzem latidos distintos em diferentes estados motivacionais e humanos conseguem reconhecer alguns desses estados mais importantes refletindo, por exemplo, medo ou agressão em um latido sem nenhuma experiência visual. Então parece que ‘falar de volta conosco’ pode ser uma ferramenta útil para se comunicar com humanos”, completou o cientista."

Fonte: Globo e http://saudeanimal.com.br/noticia_0167.htm

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Manifestações contra maus-tratos

Li no portal do G1 uma notícia que me deixou orgulhosa. Neste final de semana foi organizada uma manifestação em São Paulo, Rio, Paraná, Distrito Federal, Fortaleza, Campo Grande, Manaus, Belo Horizonte, Porto Alegre e Goiânia contra maus-tratos a animais. Participaram também outros municípios do país e até no exterior.

Cada vez mais, mais pessoas estão participando deste tipo de manifestação. É dessa forma que vamos conseguir o apoio das autoridades responsáveis para essa causa.

A passeata que ocorreu em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, contou com a participação de "dois soldados da Ronda Ostensiva de Cães Adestrados (Roca), da Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Policiais Especiais da Polícia Militar (Cigcoe).

Os policiais, que foram convidados pela organização do evento e disseram ter sido autorizados pelo comando da PM a participar, caminharam ao lado de cães da raça labrador, usados em operações de buscas de armas e drogas.


“A passeata é muito importante. Os animais são nosso material de trabalho, nossa maior ferramenta. Eles têm que ser bem treinados e, principalmente, bem cuidados”, disse ao G1 um dos militares."

Infelizmente eu (Laura) e a Rebeca Flor não participamos da passeata que ocorreu aqui em Brasília, pois não ficamos sabendo, mas vamos procurar as ONG´s responsáveis pela passeata (Crueldade Nunca Mais) nas redes sociais (Facebook e Twitter) e na próxima nós vamos!

Transcrevo a notícia do G1 (São Paulo) para você ficar sabendo:


"Cerca de 7 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, participaram na manhã deste domingo (22) de uma manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo, contra maus-tratos aos animais, pedindo mudanças na legislação atual para que puna com mais rigor esse tipo de crime. A organização do evento "Crueldade Nunca Mais", que ocorre de forma simultânea em diversas cidades do país, estimou em quase 10 mil pessoas o público na Paulista. Também ocorreram maifestações no Rio, Paraná, Distrito Federal, Fortaleza, Campo Grande, Manaus, Belo Horizonte, Porto Alegre, neste domingo, e em Goiânia, no sábado (21).


A caminhada na Paulista foi realizada por volta das 11h e saiu do Masp com sentido à Avenida Consolação. Muitos dos manifestantes levaram cachorros para o ato, que pediu leis com punições mais rigorosas para quem maltratar animais. Um deles era o promotor de eventos Marcus Rosa, que estava com dois dos seus cães. "Eu decidi participar porque quem maltrata animais não pode ficar impune. Ter um animal em casa é uma opção. Não quer cuidar, não precisa ter", disse ele."

Veja também a notícia e as imagens dos protestos no RioParaná, Distrito Federal, Fortaleza, Campo Grande, Manaus, Belo Horizonte, Porto Alegre e Goiânia.

Fonte: G1

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Excesso de Vacinação nos Animais

Nas minhas buscas sobre pugs na internet li o título de uma publicação que me chamou a atenção, dizia que se eu me importava com o meu pet eu deveria ler aquele texto.

Passei a pesquisar sobre o tema: excesso de vacinação nos animais.


As dúvidas e esclarecimentos logo começaram a surgir: o que isso pode causar? É mesmo necessário tantas vacinas? Quais são realmente necessárias e quais são dispensáveis? É necessária a revacinação anual? Qual o efeito das revacinações no organismo animal? Quem tem interesse em vender tantas vacinas?

Interessei-me pelo assunto, pois a Rebeca Flor trocou de veterinário há alguns meses e o veterinário atual, Dr. Roberto, disse que a vacina dela estava vencida, o que é verdade, pois anualmente ela toma uma V10 que previne contra várias doenças: Cinomose, Hepatite, Adenovírus Tipo 2, Parainfluenza, Parvovirose, Coronavirose e Leptospirose, porém o veterinário anterior, Dr. André, vacinou a Rebeca apenas contra Leptospirose, deixando de lado as outras.

O Dr. Roberto (veterinário atual) disse que essa vacina que ela havia tomado era inútil, visto que ela teria que tomar outra vacina, ou a V10, ou a V8, que incluía a doença Leptospirose.

Pensei bem e vi que ele tinha razão, então a Rebeca recebeu a nova vacina.

No momento não conhecia nada sobre excesso de vacinação e não me preocupei com isso, afinal eu sequer sabia que existia.

Na mesma ocasião o Dr. Roberto indicou para a Rebeca tomar outra vacina, contra gripe canina, ele disse que evitaria gripe e até uma possível pneumonia. Essa vacina ficou para depois, pois não quis dar mais que uma vacina no mesmo dia para a Rebeca, para evitar os efeitos colaterais.

Mas afinal de contas quais as vacinas necessárias? É mesmo necessário tantas vacinas?

Parece muito lógico o que eu vou escrever, e também é o correto! Um cachorro que mora em área rural está exposto a doenças que um cachorro que mora em apartamento não está, portanto os dois devem ser vacinados de maneira diversa.

Encontrei em um site as recomendações da American Animal Hospital Association (em seu 70º encontro anual, em 2003) para a frequência de aplicações de vacinas.

Vacinas obrigatórias, opcionais e não recomendadas:

Obrigatórias: Anti-rábica, Cinomose, Parvovirose, Adenovírus canino tipo 2 (CAV-2) –> A cada três anos.

Repare que a revacinação está indicada para ocorrer a cada 3 anos, para entender o porquê continue lendo o texto.

Opcionais: Bordetella (tosse dos canis ou traqueobronquite), Leptospirose, doença de Lyme –> Apenas para pets em risco de exposição

Não recomendadas: Coronavirose (presente em todas as vacinas V6, V8 e V10), Giárdia, Adenovírus canino tipo 1 (CAV-1).

Encontrei também algumas recomendações com relação a vacina anti-rábica, como evitar vacinar cães e gatos contra raiva junto com outras doenças, pois o intervalo necessário é de um mês entre a vacina de raiva e outras vacinas e procedimentos cirúrgicos (como, por exemplo, castração) e vacinar contra raiva, somente, após os seis meses de idade, pois os anticorpos da mãe interferem no desenvolvimento da imunidade do filhote.

Qual o efeito das revacinações no organismo animal? É necessária a revacinação anual?
Uma coisa é o que o veterinário aprendeu na faculdade e que aplica diariamente no consultório veterinário, outra coisa é um estudo em andamento, que ainda não foi aprovado nacionalmente. Portanto, tudo o que eu vou escrever aqui deve ser lido com cautela, para que não seja mal interpretado, visto que, não estou apoiando a não vacinação, ou não revacinação dos animais. Mas entendo que devem ser levados em consideração os estudos realizados por cientistas e que possivelmente, em um futuro breve, serão aplicados no nosso dia-a-dia.

Cada vacina tem um tempo de duração. Vou dar um exemplo prático: uma vez vacinado contra a febre amarela (você já deve ter tomado) você terá que ser revacinado em 10 anos e uma vez vacinado contra gripe você terá que ser revacinado em 1 ano. Da mesma forma ocorre com os nossos animais. O período de duração das vacinas deles também varia e revaciná-los sem necessidade é inútil.
O grande problema são as pessoas que não vacinam os seus animais fazendo com que as doenças não sejam erradicadas.

Segundo estudos, revacinar anualmente seu pet contra raiva não vai interferir na saúde pública, uma vez que ele já tenha sido vacinado ele já estará imune. Alguns cães desenvolveram raiva tendo tomado a vacina apenas uma vez, mas a chance disso acontecer é 1 para 8 milhões, isso acontece em cães que foram vacinados aos 3 meses de idade, por conta dos anticorpos maternos que anulam o efeito das vacinas até os 3 meses e meio de vida. A primeira dose deve ser aplicada com 24 semanas ou mais.

No caso da Cinomose, após as 3 doses, dadas com 9, 12 e 16-20 semanas, é necessária a revacinação com 1 ano de idade, para Cinomose/Parvovirose. A duração da imunidade dura de 7 anos e meio a 15 anos. Provavelmente a vida toda. Há estudos em andamento sobre uma duração maior da imunidade.

Podendo ter vários efeitos colaterais se aplicado precocemente (menos de 8 semanas).

Na Parvovirose, após as 3 doses, dadas com 9, 12 e 16-20 semanas, é necessária a revacinação com 1 ano de idade, para Cinomose/Parvovirose. A duração da imunidade dura 7 anos e meio, pelos estudos.

Provavelmente toda a vida. Há estudos em andamento sobre uma duração maior da imunidade. Com 6 semanas de idade, apenas 30% dos filhotes beneficiam-se com a vacina, mas 100% ficam expostos ao vírus nas clínicas veterinárias.

O correto seria dar vacinas individuais, ao invés desse “pacote” de vacinas anuais que nos é indicado.

Revacinações podem ser inúteis e perigosas. Além do mais, seria uma boa economia, não é?

Até porque quanto mais ‘polivalente’ uma vacina é, maior o risco de ocorrerem reações adversas.

Vamos esperar essas informações chegarem no Brasil.

Quem tem interesse em vender tantas vacinas?

Infelizmente médicos veterinários mais interessados em ganhar dinheiro do que comprometidos com a saúde dos animais. É interessante para o veterinário que você volte com o seu cão anualmente com a intenção de revacinar, visto que boa parte da renda dos veterinários advém das vacinas. Nessa mesma ocasião você paga a vacina e a consulta e assim o veterinário atrai pacientes. É importante que você saiba que as revacinações anuais são indicadas pelos fabricantes e não por resultados de pesquisas.

Lembrando que um exame físico anual, que geralmente é realizado junto com as vacinas, é recomendado.

O que isso pode causar?

Os efeitos colaterais das revacinações anuais são tantos que desencadearam vários estudos sobre o tema.
Há relatos de cães que apresentaram reações no mês seguinte, ou no ano seguinte à vacinação e não só imediatamente depois da inoculação.

Segundo estudos vacinas não são inofensivas e, se repetidas com freqüência podem causar sintomas da doença que estão querendo evitar. Podem afetar o sistema imunológico dos animais, podendo manifestar doenças crônicas que variam de condições potencialmente fatais a crises auto-imunes (ex: alergias de pele crônicas, coceiras, otites, eliminação de secreções).

Você tem o direito de se informar e de tomar decisões sobre o seu animal, não deixe o veterinário fazer você se sentir culpado, isso é antiético.

domingo, 22 de janeiro de 2012

Pet Milk — Leite Especial para Cães


Dar leite a filhotes de cães e gatos é uma coisa comum, mas o que poucos sabem é que o leite de vaca faz mal aos filhotes pela sua alta concentração de lactose que causa diarréia.

Pensando nisso a Vetnil, um dos maiores laboratórios veterinários do Brasil, criou o Pet Milk que é rico em proteínas e gorduras, com alta energia metabolizável e não contém lactose.

Graças a esta fórmula o produto é indicado para recém-nascidos e como suplemento para ninhadas numerosas, filhotes muito fracos, cães em crescimento, cães em exposição, cadelas em lactação, cães convalescentes ou em idade avançada.

Para quem nem imaginava que um ato tão simples e puro como dar leite ao seu bichinho poderia estar fazendo mal e ele fica a dica, mais um produto fruto da tecnologia para o bem estar dos peludos.

Fonte: http://blogs.jovempan.uol.com.br/petrede/cuidado-com-o-leite/

sábado, 21 de janeiro de 2012

Caminhas

Caminha de gato e de cachorro é praticamente a mesma coisa, até porque se você tiver os dois eles provavelmente irão dormir juntos. Veja alguns modelos de caminhas que servem para os dois:





sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Não ofereça chocolate para o seu cachorro!

A Rebeca adora chocolate... mas, o de cachorro!



Pois o chocolate é venenoso para os cães, podendo causar coma e até a morte. Tudo por causa de duas substâncias: a Teobromina, que é encontrada no cacau e a cafeína.

"A teobromina, encontrada em quantidade muito superior à cafeína nos chocolates, é o maior problema."


"Geralmente, os efeitos clínicos dessa intoxicação são percebidos entre 6 a 12 horas após a ingestão do chocolate e persistir por até 3 dias. Os sintomas iniciais são: aumento da ingestão de água, vômito, diarréia, dilatação abdominal e inquietação (incômodo, agitação). O quadro pode evoluir para hiperatividade, aumento do volume urinário, ataxia, tremores e estado de apreensão. E, mais fatidicamente, aumento da frequência dos batimentos cardíacos (taquicardia), aumento dos movimentos respiratórios (taquipnéia), azulamento das mucosas (cianose – falta de oxigenação nos tecidos), hipertensão, aumento da temperatura corpórea e o quadro pode, enfim, evoluir para hipotensão, queda da temperatura corpórea, coma e morte.

(Rebeca Flor)

Ainda há o fato de que, como o chocolate possui grande quantidade de gordura, o pâncreas também sofre importantes danos."

"A  quantidade de chocolate necessária para provocar a intoxicação dos cães é muito variável e depende do porte do animal, sensibilidade e até o tipo de chocolate ingerido. Sabe-se que o chocolate amargo possui uma quantidade de teobromina oito vezes maior do que o chocolate ao leite. Embora, como já dito, a dose que causa intoxicação seja variável para cada indivíduo, se um cãozinho de dois quilos ingerir uma barra de 120 g de chocolate ao leite, essa quantidade pode ser letal. Em um cão bem maior, essa mesma dose pode não ser fatal, mas causar problemas gastrointestinais ou neurológicos.

(Rebeca Flor)

Algumas empresas produzem "chocolates caninos", um produto que possui apenas o aroma do chocolate, sem possuir o princípio ativo tóxico. É uma boa alternativa para satisfazer o cão sem correr riscos."

Fonte: http://www.webanimal.com.br/cao/index2.asp?menu=intoxicacao_chocolate.htm
http://www.saudeanimal.com.br/rogerio_intoxicacao_choco.htm

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Em Brasília, Tripoli participa de audiência sobre controle da Leishmaniose


Inicialmente eu quero contar uma historinha: minha mãe mora em Campo Grande - MS, ela achou na rua um cachorro doente, deu a ele um nome e decidiu adotá-lo. Um cachorro enorme e de pêlo preto, a simpatia por ele foi imediata, pois ele poderia proteger ela e a casa onde mora! Levou o Joseph ao hospital veterinário e lá foi orientada a pagar um exame para saber se ele tinha leishmaniose, pois se tivesse teria que ser sacrificado, pois é uma doença transmissível aos humanos. Lá em Campo Grande é muito comum que os animais tenham essa doença. Realizado o exame, foi constatado que ele era portador então, sem outra alternativa, minha mãe pagou para que fosse dada a injeção letal no Joseph. Ela ficou muito triste e até hoje não esquece dessa amizade que, infelizmente, durou pouco tempo.


"(Brasília, 22 de novembro de 2011) – Coordenador de Fauna da Frente Parlamentar Ambientalista, o deputado federal Ricardo Tripoli (PSDB-SP) participou nesta terça-feira de audiência pública para debater o Projeto de Lei 1738/2011, que torna obrigatória a vacinação anual de cães e gatos contra a leishmaniose. Segundo o projeto, essa vacinação será gratuita e realizada em todo o território nacional, a exemplo do que já ocorre no caso da vacina contra a raiva.
CRUEL E INEFICAZ
Durante reunião da Comissão de Seguridade Social e Família, o parlamentar paulista discutiu com representantes do Ministério da Saúde e especialistas a necessidade do estabelecimento imediato de uma política nacional de vacinação contra a leishmaniose animal.
A doença parasitária é transmitida pela picada do mosquito infectado. O cão doméstico pode ser hospedeiro do parasita – estima-se que, para cada caso em humanos, há uma média de 200 cachorros infectados. Há dois tipos da doença: a cutânea, caracterizada por feridas na pele, e a visceral, que ataca vários órgãos internos.
Na avaliação de Tripoli, a atual política adotada pelo Ministério da Saúde, de eutanásia dos animais infectados é equivocada, haja vista que a eutanásia não tem se mostrado eficaz, já que diversos estados apresentam surtos recorrentes de leishmaniose. “Não há no país medidas racionais voltadas ao controle dessa zoonose. É uma irresponsabilidade sem tamanho por parte do Poder Público. O governo federal precisa ter uma atitude clara e nítida para aniquilar de vez essa doença. Há recursos para promover o fim da matança de cães”, afirmou o parlamentar.
Em sua explanação, Tripoli citou que em agosto do ano passado procurou a Diretoria de Vigilância Epidemiológica do Ministério Saúde para reivindicar a inclusão do encoleiramento com coleiras inseticidas como forma de conter a disseminação da doença. O coordenador-geral de Doenças Transmissíveis da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, José Ricardo Pio Marins afirmou que o Ministério da Saúde estuda a viabilidade dessa medida.
“Nossa intenção é acabar com a cruel matança em massa de cães. Infelizmente parece não haver disposição do governo federal em resolver o problema. É um desrespeito diante de uma demanda tão importante”, concluiu Tripoli.
Também participaram da audiência o presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Carlos Henrique Nery Costa; o mestre em Medicina Veterinária Preventiva e Epidemiologia e doutor em Parasitologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Vítor Márcio Ribeiro e o mestre em Medicina Veterinária na área de Clínica Médica de Pequenos Animais, Claudio Nazaretian Rossi."

Fonte: http://mercadopetecia.blogspot.com/

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Veterinárias criam o primeiro sorvete para cachorros do Brasil


"As irmãs e veterinárias Thaís e Juliana Mucher perceberam que seus cães gostavam muito de sorvete, mas sofriam com ingredientes indicados apenas para humanos. Assim, decidiram experimentar e criaram o Ice Pet, o primeiro no Brasil feito exclusivamente para cachorros. Em fevereiro de 2010, lançaram a marca no mercado e, com apenas quatro meses de vida, já vendem em pet shops da Grande São Paulo e do interior do estado, além de pontos no Paraná e Bahia.

A fórmula exclusiva do Ice Pet é resultado de muitos estudos e é aprovada pelo Ministério da Agricultura. Componentes encontrados no sorvete para humanos que provocam problemas digestivos aos cães foram retirados, como açúcares e gordura trans, além de possuir baixo teor de lactose. Mas nem por isso o sorvete ficou menos gostoso, e os primeiros sabores criados – menta, morango e creme – fazem sucesso entre a cachorrada.

Como estão sempre em busca de novidades, as empresárias observam de perto o comportamento de seus “clientes”. Nessas pesquisas, perceberam que alguns cachorros não gostavam de alimentos doces e por isso criaram o sorvete com aroma de bacon. Também constataram que alguns donos ofereciam chocolate ao seu cão sem saber que o cacau pode ser nocivo a sua saúde do bichano. Por isso, lançaram mais um sabor, com aroma artificial de chocolate.

O Ice Pet tem preço sugerido de R$ 5,50. Para mais informações sobre o produto e pontos de venda, acesse www.icepet.com.br.

* O Ice Pet não é indicado a cachorros diabéticos e outros animais mamíferos, além de aves e répteis."

Clique aqui para saber onde encontrar o sorvete!

Fonte: http://blogs.jovempan.uol.com.br/petrede/veterinrias-criam-primeiro-sorvete-para-cachorros-brasil/

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Fazer comida em casa para os pets pode ser perigoso


"Se você acha que dar comida feita em casa para seu gato ou cachorro é bem mais saudável do que comprar ração industrializada, é preciso verificar se você está tomando alguns cuidados.

A alimentação do animal deve ser adequada ao tanto de energia que ele gasta diariamente.

Luiz Renato Flaquer Rocha, médico veterinário e diretor da Sociedade Paulista de Medicina Veterinária, lembra que a medicina veterinária está crescendo a cada dia e muitos especialistas em nutrição animal estão por aí.

Antes de preparar em casa a comidinha do seu pet é essencial uma visita ao veterinário. Flaquer explica alguns cuidados necessários.

- Não é indicado dar comida de gente, mas com diversos cuidados é possível fazer em casa. É necessário equilibrar a alimentação para o animal ter mais saúde.

Fernanda Gamba de Assis, médica veterinária da clínica Coveti/Lardog é quem cuida da alimentação de pets em tratamento intensivo. Ela lembra que entre os perigos da comida caseira sem acompanhamento de um especialista está o cuidado com os dentes do animal.

Com refeições caseiras, o acúmulo do tártaro na dentição de cães e gatos é maior, o que aumenta o risco de doenças odontológicas.

- A alimentação caseira deve ser balanceada, com orientação veterinária. Comida para pet não é resto de comida dos donos.

Fernanda ensina que em uma consulta nutricional, o veterinário muitas vezes indicará um suplemento vitamínico para ser misturado à comida caseira, uma vez que a comida dos donos não supre o valor nutricional que os pets precisam.

- O profissional fará uma avaliação energética do animal, da estrutura corporal dele, se ele possui gordura localizada, o quanto ele gasta de energia por dia e só então fará uma dieta nutricional balanceada e personalizada para aquele bicho.

Flaquer lembra que animais que com problemas de saúde requerem ainda mais cuidados nutricionais. Às vezes, uma reação já pronta dá conta do recado, em outras situações, o pet vai precisar de complementos de vitaminas ou sais minerais.

- Cada caso é um caso. Arroz com frango e batata, por exemplo, é uma alimentação para um animal que esteja se recuperando de alguma doença ou indisposição. Mas se uma dieta desta for diária, o animal não receberá todos os nutrientes que ele precisa, pois ele não pode ficar sem ferro, zinco, vitamina C, A e complexo B12, além de cálcio e outros itens.

Arroz, frango, carne de carneiro, fígado, pâncreas, brócolis, couve-flor e ovo estão entre os alimentos recomendados para matar a fome do seu pet em casa. Tudo cozido e com pouco tempero. É necessário prestar muita atenção em condimentos, que os donos podem adorar, mas com certeza farão mal ao cachorro ou gato.

Bichos mais velhos, cuidados redobrados
Os animais idosos merecem ainda mais cuidados com a alimentação. O veterinário Luiz Renato Flaquer Rocha recomenda uma observação maior e consultas com especialistas.

- O pet mais velho pode desenvolver problemas renais. Também há chances dele provavelmente precisar de complementos e suplementos para melhorar a flora intestinal.

Chocolate, cebola e leite: alimentos perigosos
O conselho de Melissa Guillen, médica veterinária da policlínica da Estácio de Sá, do Rio de Janeiro, é manter distância entre os pets e alguns alimentos que podem levá-los até a morte.

Entre os alimentos que apresentam ameaça aos cães e gatos está a cebola, que segundo a médica, provoca um tipo de anemia, principalmente em gatos.

E quem nunca achou bonitinho um filhote de cachorro ou um felino tomando leite? Pois é, outra ameaça.

- O leite pode provocar fortes diarreias porque possui lactose. Os animais não produzem a lactase que é a enzima que absorve a lactose. Poucos cães e gatos produzem a substância em pequenas quantidades. Portanto, o leite é proibido para os pets.

Já o chocolate, que os donos tanto adoram, é um verdadeiro veneno para os bichos.

- O chocolate possui uma substância tóxica para os cães e gatos e pode agir como veneno e até matar.

Quando o assunto é alimentação orgânica, o resultado é o mesmo que nos humanos: mais saúde por se tratar de produtos sem resíduos químicos. No entanto, a carne crua, recomendada por defensores de uma dieta para pets orgânica e natural também é contraindicada.

Existem várias linhas de alimentação natural para cães, inclusive uma com alimentos crus, que não é recomendada porque o alimento cru pode transmitir várias doenças, principalmente as carnes. Dê preferência aos alimentos cozidos se for cuidar dos pets com a alimentação feita em casa.

Osso de boi, porco ou galinha nem pensar
O osso não deve ser dado aos animais, nem cozido, muito menos cru.

Segundo Melissa, é comum cirurgias para a retirada de ossos presos ao esôfago de cachorros. Além deste perigo, ossos podem causar perfurações no intestino do pet e quando passam pelo esôfago podem acarretar obstruções intestinais, que também precisa de procedimento cirúrgico.

- Qualquer osso é perigoso, principalmente o da galinha. O que chamamos de osso da sorte, em formato de Y, é o mais perigoso. Ossos de porco também, pois são largos demais e mesmo que um cachorro seja de grande porte, o osso pode causar obstruções intestinais."

Fonte: http://blogs.jovempan.uol.com.br/petrede/fazer-comida-em-casa-para-os-pets-pode-ser-perigoso/

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Rebeca Flor Comendo Cenoura

(Rebeca Flor comendo cenoura)

Cenoura protege a visão, o seu coração, evita a prisão de ventre, previne o cÂncer e ajuda a perder peso. Dê cenoura para o seu cãozinho toda vez q for comer, só lembre de NÃO DAR COM SAL.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Importância da casinha de cachorro



"A maioria dos donos de cães tem consciência de que o cão deve ter uma casa.

Mas, muitas vezes, as pessoas não se dão conta de que a necessidade de um peludo em ter seu “cantinho” envolve mais do que ter um verdadeiro “lar”, como na concepção humana...

Eles realmente gostam?

Cachorros são animais de toca, ou seja, quase sempre vão procurar uma “caverninha” para se abrigar do frio, chuva, ou quando estiverem com medo ou sentindo dor.

Basta observar um cão que não tenha uma casa específica para ele: quando se deparar com situações como as narradas acima, procurará abrigo embaixo de algum móvel, como um sofá ou mesa.

É reconfortante para o cachorro, mesmo que não fique em sua casinha grande parte do tempo, saber que tem um abrigo disponível para situações específicas, ou quando simplesmente quiser ficar sozinho roendo um osso gostoso sem ser incomodado...

Como acostumá-los?

Mesmo cães que não tenham o hábito de usar casinhas, podem ser acostumados a usá-las e achar isso muito legal!

Antes de mais nada, o ideal é verificar qual o tamanho ideal para cada cachorro. Muitas pessoas acreditam que uma casa bem grande é melhor para o peludo, o que não é verdade! Quanto mais estreita melhor, pois assim se sentem mais protegidos. O tamanho ideal de uma casinha mede-se assim: o amigo deve conseguir ficar de pé sobre as quatro patas e dar uma volta sobre o próprio corpo.

Definido o tamanho, valem algumas dicas para deixar o cantinho bem aconchegante. Cães gostam de se deitar em lugares macios e fofos, pois tem grande sensibilidade com texturas. Assim, colocar panos macios na casinha permitirá que o local fique bastante convidativo.

Além disso, se o dono deixa seu cheiro nestes panos, o local ficará ainda mais interessante. Para tanto, basta esfregar as mãos nos paninhos para deixá-los impregnados com o cheiro daqueles que os cães adoram!

Onde deixar a casinha?

Para cães que ficam nas áreas externas, o ideal é que a casinha fique próximo do local por onde as pessoas da casa entram e saem rotineiramente. Isso é importante pois, como animais sociais, os cães preferem sempre estar perto da família humana, ou tê-los à vista.

É importante também deixar a casinha ao abrigo da chuva e ventos (colocar um suporte embaixo evita que fiquem úmidas), bem como do sol forte.

Para cães que ficam dentro dos lares, ainda assim a casinha é importante, pois será seu cantinho confortável. O ideal é deixá-la em locais onde podem estar protegidos, mas perto dos donos.

Caixas de transporte

Uma boa dica para donos de cães é transformar a caixa de transporte na casa rotineira do cão. Para tanto, basta deixá-la sem a porta no dia a dia e seguir todas as dicas acima. Vale também a leitura deste post, onde o tema já foi tratado.



Desta forma, quando for necessário viajar com o amigo e utilizar a caixa de transporte, a experiência não será traumatizante como poderia ocorrer caso o cão não fosse habituado com este acessório."


Fonte: http://caoamor.blogspot.com/2011/04/importancia-da-casinha-de-cachorro.html

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Cães Heróis

"
fonte: Guia dos Curiosos




Anny
Em julho de 2000, um depósito de material elétrico desabou na Zona Leste de São Paulo (SP). Um dos funcionários da empresa ficou soterrado a uma profundidade de cerca de 4m. Quem o localizou foi a pastora-alemã Anny. Ela fazia parte do 1º Grupamento do bairro do Ipiranga.

Blue
Em julho de 2001, o cachorro Blue salvou a vida de sua dona, Ruth Gay, uma velhinha de 85 anos. Ela caminhava em seu quintal, na cidade de Fort Myers, na Flórida (EUA), quando caiu. Ficou no chão por cerca de uma hora e quando um dos crocodilos de um canal que fica próximo à sua casa começou a se aproximar, Blue começou a latir e espantou o réptil. Depois o cachorro foi até o carro de sua filha e genro que estavam chegando e latiu até que o casal o acompanhasse. Eles, então, encontraram a senhora.

Buddy
O pastor alemão pressionou a tecla de emergência do telefone, grunhiu e latiu quando o atendente perguntou se alguém precisava de ajuda. A intervenção canina acabou salvando a vida do dono, Joe Salnaker, que sofre de ataques epiléticos. O caso aconteceu em setembro de 2008, nos EUA.

Cão malaio
Apesar de não ter interferido diretamente, esse cãozinho impediu seu dono de cometer suicídio. Um morador de Kuala Lumpur (Malásia), que havia acabado de perder seu emprego, estava prestes a pular de uma ponte quando foi avisado que seu animal estava morrendo sufocado. Isso fez com que recuasse e desistisse de tentar a morte. O caso ocorreu em 6 de setembro de 2005.

Catita
A vira-lata Catita salvou seus donos, duas crianças, do ataque de um feroz pitbull no Rio de Janeiro, em fevereiro de 1999. Ela deixou os filhotes e correu para acudir os meninos. Acabou perdendo um pedaço da orelha, mas conseguiu afastar o outro cachorro.

Choop
O Bernese Mountain foi utilizado em sessões de fisioterapia assistida para idosos. Ele participava dos exercícios e, segundo os médicos que acompanhavam o programa, contribuiu largamente para que os participantes tivessem melhoras tanto físicas quanto emocionais e psicológicas.

D-Boy
Mesmo baleado, D-Boy não desistiu – o cachorro continuou atacando o assaltante que invadiu a casa de sua dona, em Oklahoma City, nos Estados Unidos. D-Boy foi atingido 3 vezes pelo ladrão, mas a valentia do cachorro acabou desestimulando o criminoso, que fugiu sem levar nada. D-Boy sobreviveu. O caso aconteceu em dezembro de 2008.

Dick
Dick era um pastor alemão da polícia militar e em 1956 ajudou a encontrar um menino de 4 anos que havia sido seqüestrado. Cheirou o travesseiro do garoto e conseguiu levar a polícia até o cativeiro. Dick foi homenageado, sendo promovido de soldado raso a cabo pelo então governador Jânio Quadros e ganhou um busto de bronze no canil da Polícia Militar.

Dick 2
No ano de 1956, o então governador de São Paulo, Jânio Quadros, encorajou os policiais na busca por um garoto de 3 anos que fora seqüestrado, afirmando que promoveria aquele que solucionasse o crime.Três dias depois, quem encontrou a criança foi o pastor alemão Dick, treinado pela PM.

Diogo
O pastor-alemão, membro da Polícia Militar, salvou um grupo de 11 crianças e adolescentes evangélicos que se perderam na Serra do Mar, em São Bernardo do Campo (SP). Fazia dois dias que os garotos passavam frio e fome, isolados na mata fechada.

Faith
A rottweiler salvou a vida de sua dona ao ligar para o serviço de emergência depois que ela teve um ataque epilético. Na verdade, a cadela da norte-americana Leana Beasley recebeu treinamento para ajudá-la. O animal aprendeu a identificar mudanças na química do corpo da moça, ligar a tecla rápida para chamar socorro e ainda esperar o resgate na porta da casa.

Gem
O labrador recebeu o título de cão-herói em uma eleição realizada em todo o país e ganhou o direito de participar de um concurso que apontaria o cachorro mais corajoso do mundo. Gem servia de guia para Ethel Rosenfeld, cega desde os 13 anos.

Hachiko
No Japão, o cachorro Hachiko todo dia acompanhava seu dono, o professor Ueno Eizaburo, até uma estação de trem. De lá o professor seguia para a Universidade de Tóquio e Hachico voltava para casa. Às 15 horas, quando Ueno retornava, o cachorro já estava na estação esperando por ele. No ano de 1925, o professor morreu, mas o bichinho não sabia e continuou esperando o dono. Pessoas começaram a visitar o local só para ver Hachico, que permaneceu na estação por 12 anos, até morrer. Os japoneses ergueram uma estátua no local para homenagear a fidelidade do cão.

Jake
Jake, um cão labrador preto, trabalhou nos escombros do World Trade Center atrás de sobreviventes, em 2001, e também participou das buscas em Nova Orleans , depois que o Furacão Katrina devastou a cidade, em 2005. Nas horas vagas, Jake ainda arrumava tempo para brincar com crianças vítimas de queimaduras e idosos em casas assistenciais, além de ensinar outros cães a farejar. O cão foi abandonado quando tinha apenas 10 meses. A americana Mary Flood o encontrou em uma rua perto de casa muito maltratado e com a pata quebrada. Assim que ficou bom, Jake entrou para o treinamento de cães de resgate e se tornou um dos 200 cachorros da equipe de busca e salvamento certificada pelo governo dos Estados Unidos. O “emprego” exigia disponibilidade total dos animais para trabalhar em todo o tipo de desastre e a qualquer horário. O cão herói morreu em 25 de julho, aos 12 anos, vítima de câncer.

Lassie
Esta dog alemão evitou que Ivone Rosário fosse atingida pelos tiros disparados por seu vizinho. O homem se revoltou ao saber que a filha estava grávida do sobrinho da mulher. Lassie defendeu Ivone pulando em sua frente e evitando que ela fosse atingida pelas balas.

Pam
Um filhote de vira-lata chamado Pam impediu que 180 presos fugissem da Casa de Custódia Muniz Sodré, em Bangu, no Rio de Janeiro. Percebendo a movimentação dos bandidos, o cachorro passou a latir e os agentes penitenciários foram ver o que estava acontecendo. No meio do tiroteio que se seguiu, o herói da história foi atingido na pata.

Taffy
A pequena poodle acordou seus donos – o casal de idosos Alice Ferrari (82) e Ted Koplanko (83) – ao perceber que a casa estava pegando fogo. Graças a intervenção canina, os dois conseguiram sair a tempo e chamar os bombeiros, que levaram meia hora para controlar o fogo iniciado em um ventilador de teto. O caso aconteceu em setembro de 2008, na cidade de Tampa, Flórida (EUA).

Tarzan
Um aposentado de 74 anos foi salvo pelo pastor-alemão, que farejou o local onde ele era mantido refém por seqüestradores. O caso ocorreu em setembro de 2002. O homem que mantinha Juan de Dios Gimenes cativo em um trecho de mata fechada nas proximidades de Ribeirão Pires (SP) aguardava o retorno de seus companheiros, que tinham se dirigido a um banco para sacar o dinheiro da conta da vítima. Tarzan e seu dono estavam passeando no local quando o animal farejou algo estranho.

Tatá
Os latidos da vira-lata chamaram a atenção de Almir Caldas. Debaixo de uma forte chuva, ele foi até o quintal de sua chácara, que fica trás de uma ferrovia, para ver qual era o problema. Encontrou Tatá com a corda da coleira esticada, levantando as patas na direção de um enorme buraco aberto pelas águas sob a linha do trem que atravessa o Campo Limpo, em São Paulo. Na tarde do dia 29 de março de 2006, o aposentado decidiu ficar sinalizando na frente da cratera de 15 metros e conseguiu evitar que um trem, com 250 passageiros, sofresse um acidente.

Vira-lata queniana
A cadelinha do queniano Aggrey Mwalimi encontrou um bebê recém-nascido em um matagal. A vira-lata salvou a vida do bebê, arrastando-a por cerca de um quilômetro até o galpão onde morava com seus filhotes. O caso aconteceu em maio de 2005.

Xuxa
Em setembro de 2002, dois rottweillers e um pitt-bull avançaram em uma mulher e seu bebê. Os dois teriam se machucado seriamente, não fosse a intervenção desta cadela vira-lata, que morava na Praia da Enseada, no Guarujá. Ela lutou contra os outros animais e precisou sofrer uma cirurgia para se recuperar dos ferimentos. Voltou depois para as ruas, onde morreu de desnutrição.

Willy
Em 18 de junho de 2001, o dálmata Willy não deixou que três bandidos armados roubassem a casa de seus donos. Os homens, disfarçados com uniformes de uma companhia telefônica, não esperavam reação violenta de uma raça de cachorro tida como muito dócil. Um dos ladrões acabou preso.
"

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Rebeca Flor Comendo Brócolis


Brócolis é rico em vitamina K, que faz a coagulação do sangue e aumenta o número de plaquetas, fortalece os ossos, protege a visão, previne o câncer, protege seu coração e controla a pressão arterial. Coma e dê para o seu cachorrinho. Só não esqueça de NÃO DAR COM SAL.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Caixas de transporte podem fazer milagres!

"A utilização de caixas de transporte tem sido cada vez mais difundida entre aqueles que convivem com cães. E por que? Por conta de sua utilidade e da possibilidade de proporcionar bem estar aos cães!

Sim, bem estar. Muitos acreditam que deixar um cão fechado numa caixa de transporte é uma tremenda injustiça com o bichinho. Mas a realidade é justamente o contrário: quando habituados à sua caixa, os cães se sentem seguros e confortáveis, e acabam procurando sua “casa “ mesmo quando não solicitado!

BENEFÍCIOS

Habituar um cão a ser mantido na caixa de transporte traz mais benefícios do que as pessoas imaginam:

* quando filhote, o cão que fica por determinados períodos dentro da caixa de transporte, terá oportunidade de descansar em paz, livre de aborrecimentos causados especialmente por outras pessoas, encantadas com o filhotinho fofo, mas que também tem necessidade de muito descanso;

* este mesmo filhote poderá ser ensinado a fazer as necessidades no lugar certo com o uso da caixa de transporte. Sim, é verdade! Como? Mais detalhes, logo adiante;

* quando se tem a intenção de levar o cão para um passeio, e o carro for a melhor alternativa, a caixa de transporte garantirá a devida segurança ao amigo peludo. Em caso de acidente, por mais banal que seja a “batida”, um cão estará mais seguro solto no banco de trás, ou dentro da caixa de transporte, devidamente amparada e presa por um cinto de segurança?

* em caso de viagem por via aérea, a única forma de levar o cão será dentro de uma caixa de transporte. Apesar de muitas companhias já abrirem exceções e permitirem cães na cabine, na maior parte das vezes, eles devem, de qualquer forma, ser mantidos em caixas de transporte. Cães de grande porte, vão no compartimento de bagagem. Onde? Dentro de uma caixa de transporte. Assim, se o cão já estiver acostumado a ficar dentro de sua própria caixa, certamente a experiência será muito mais tranquila!

* filhotes tendem a ser destrutivos. Na falta de estímulos corretos, e também brinquedos apropriados para morder, roerão o que encontrarem pela frente! Na caixa de transporte com seus brinquedos de roer, o filhotinho estará entretido e não destruirá móveis e objetos adorados pelos humanos...



ATENÇÃO: as caixas de transporte NÃO servem para que o cão seja mantido ali o dia todo, o tempo todo! Não é este o objetivo! Como afirmo e reafirmo incansavelmente: cães são animais extremamente sociais, que precisam de convivência com pessoas, outros cães e outros animais, para serem mentalmente saudáveis. A caixa de transporte deve ser utilizada por períodos de tempo, sendo, nestas ocasiões, o “canto”, o “quarto”, a “toca” do cão!

O MODELO IDEAL

Existem inúmeros modelos de caixa de transporte à venda em pet shops e lojas especializadas. Pelo que tenho visto, o ditado “o barato sai caro” aplica-se perfeitamente a este utensílio. Caixas de transporte muito baratas geralmente são fabricadas com material de qualidade ruim. Assim, vale a pena investir um pouco mais numa caixa com material melhor, que dure mais tempo e garanta total segurança do amigo.

Aquelas feitas de plástico resistente são fáceis de limpar. É muito importante verificar se os parafusos também são resistentes, e se a trava da porta é segura o suficiente para impedir que cãezinhos mais afoitos consigam a proeza de abri-la!


O TAMANHO IDEAL


A maioria das pessoas acredita que uma caixa de transporte bem maior que o cão é muito mais confortável. Ledo engano. Cães são animais que, por natureza, gostam de tocas, onde se sentem protegidos. Assim, para saber se a caixa de transporte tem o tamanho ideal, basta seguir uma regra simples: o cachorro deve conseguir ficar de pé e dar uma volta sobre si mesmo com tranquilidade. Isto sem que "sobre" muito espaço. Assim, ele se sentirá seguro, conseguirá dormir e descansar muito bem.

COMO ACOSTUMÁ-LO?

Não basta, simplesmente, colocar o cão dentro de uma caixa, fechar a portinha e deixá-lo lá. Como tudo que se refere a cães e animais em geral, associar as experiências com algo positivo é a melhor forma de conseguir os progressos esperados.

Assim, o ideal é incentivar o cão a entrar na nova toca e, caso ele assim faça, elogiá-lo bastante. Mas deixá-lo, neste primeiro momento, livre para entrar e sair de acordo com sua vontade, ainda sem fechar a portinha.

Pode-se colocar os paninhos do cão dentro da caixa, assim como seus brinquedos preferidos, sempre lembrando de elogiar bastante quando ele estiver lá dentro. A caixa deve se tornar a casinha do cão, onde ele irá, inclusive, dormir a noite.

As refeições devem ser feitas lá dentro. Colocando o pote de comida na caixa, o cão rapidamente irá associar que ali é o seu "canto".

À medida que o cão se mostrar mais e mais confortável dentro da caixa, pode-se começar a fechar a portinha. Num primeiro momento, por alguns segundos, para abrir imediatamente depois, sem grandes alardes. Depois, aumenta-se o tempo, momentos em que o cão deve ser deixado lá com brinquedos ou ossos para que se distraia.

Quando o peludo estiver bastante confortável na caixa, já tendo eleito sua nova "casa", seu "refúgio", poderá ser deixado fechado lá durante a noite (desde que não seja muito filhote, pois precisará fazer um xixi...). Cães saudáveis, que tem atividade coerente com sua disposição e forma física, serão gratos por terem um “quarto” só seu durante o período de descanso. E o cão não está sendo, de forma alguma, maltratado.

Na maior parte das vezes, nem é necessário seguir todos os passos acima. Ao ser apresentado a uma caixa de transporte, a maior parte dos cães já passará a entrar e sair tranquilamente, sem que seja necessário qualquer estímulo humano!

TREINO PARA NECESSIDADES NO LUGAR CORRETO

Quando o cãozinho já estiver habituado a caixa de transporte, esta poderá ser um instrumento muito útil para treinar o peludo a aprender qual o lugar certo para fazer as necessidades.

Filhotes aguentam ficar apenas algumas horas sem fazer xixi ou cocô. Geralmente, depois de comer e brincar um pouco, logo procurarão se aliviar. Nesta hora, a regra de ouro: deve-se estar com ele no lugar onde ele deve fazer as necessidades, para que se tenha a chance de recompensá-lo por fazer no local correto.

Existe uma regra simples a ser seguida para saber quanto tempo o filhote pode ficar sem se aliviar: a idade dele em meses, mais 1. Assim, se o pequeno tem 3 meses, poderá ficar até 4 horas na caixa de transporte, sem fazer xixi. (3+1=4).

Calculado o tempo, deve-se deixar o filhote na caixa, descansando (filhotes brincam bastante, mas precisam dormir muito também). Após decorrido o tempo calculado, ele poderá sair e brincar no local onde deve ser o banheiro e, muito provavelmente, nesta situação surgirá a chance de recompensá-lo por fazer no local certo! Em pouco tempo, o filhote aprenderá que o banheiro é ali, onde o dono brinca com ele e mais: ele ganha recompensas quando faz o xixi ou cocô neste local!

Não há dúvidas, portanto, quanto aos benefícios de utilizar a caixa de transporte no dia a dia. Os cães agradecem a chance de realizar o "sonho da casa própria"!"


Fonte: http://caoamor.blogspot.com/2010/10/caixas-de-transporte-podem-fazer.html

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Pugs dos Famosos - Jessica Alba

Jessica Alba é uma atriz norte-americana. Ela é conhecida pelas atuações em "Dark Angel", "Sin City", "Quarteto Fantástico", "Mergulho Radical", "Maldita Sorte" e "O Olho do Mal".






 Sid e Nancy