sexta-feira, 20 de abril de 2012

Aparelho ortodôntico em cães

O aparelho ortodôntico canino chegou ao Brasil há 15 anos. A idéia original é americana, e, aqui no Brasil ainda é pouco empregada. Isso porque nossos especialistas consideram o método um tanto invasivo. No entanto, para alguns casos não há saída melhor - quando, por exemplo, o dente é tão torto que pode perfurar o céu da boca em uma brincadeira. 
"Para alguns animais, a falta de correção pode provocar lesões", confirma a veterinária Maria Izabel Ribas.

O aparelho canino é feito com resina ou fios metálicos e fica bem fixo para que o animal não consiga removê-lo. 

O tempo de tratamento é surpreendentemente rápido variando de um a quatro meses, dependendo do problema. 

Nesse período, a higiene é fundamental. 

"O dono deve escovar os dentes do cachorro diariamente ou passar um anti-séptico para impedir o acúmulo de bactérias, que levam a doenças na gengiva", ensina o veterinário Marco Antônio Gioso.

A adaptação não é nenhum bicho-de-sete-cabeças, garante a veterinária Vanessa Graciela Gomes, de São Paulo. Mas, dependendo do temperamento, o animal pode se sentir bem desconfortável

"Até que ele se acostume, amoleça a ração para facilitar a mastigação e guarde objetos e brinquedos duros", recomenda o veterinário Herbert Lima, de São Paulo. 

Para a manutenção, basta um retorno ao especialista a cada 15 dias

Problemas de adaptação

O que acontece quando o cão estranha o aparelho:

· Fica irritado

· Tenta remover o dispositivo com as patas

· Para de se alimentar

· Morde móveis ou objetos duros


Aparelho ortodôntico corrige alguns problemas da arcada dentária como desvios de dentes, mal oclusão, dor, entre outros problemas.

Avaliação

Todos os animais precisam fazer uma avaliação odontológica, pelo menos, uma vez ao ano

“Alguns precisam de um acompanhamento semestral e às vezes até em intervalos menores. O ideal é que desde a primeira consulta para vacinação os dentes sejam avaliados. Após este período de vacinação é importante acompanhar a troca dos dentes (4 a 7 meses de idade) e depois anualmente”, disse o dr. Herbert Corrêa, médico veterinário e mestre em cirurgia da clínica de odontologia animal, Odontovet.

Atualmente, a tecnologia encontrada em centros de odontologia animal no Brasil já é comparada a dos Estados Unidos, que é a referência para estudos na área.
E como saber que está na hora de levar seu animal a um centro desses? 

“Qualquer alteração na cavidade oral do animal deve ser avaliada por um médico veterinário especializado. Os sinais mais frequentes de que algo está errado são: mau hálito, inflamação na gengiva (vermelhidão e sangramento), presença de cálculo dental (tártaro), dificuldade em apreender ou mastigar os alimentos, passar a pata no focinho, esfregar o focinho no chão”, revela o dr. Alexandre Venceslau, médico veterinário da Clínica VetDent e ainda Sócio-Fundador da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária (A.B.O.V.).

Talvez, a maior dificuldade de levar seu pet para um centro de odontologia veterinária seria o alto custo do tratamento. Mas para os dois veterinários entrevistados, a resposta foi a mesma: “O valor é muito aquém quando comparado ao tratamento equivalente em pacientes humanos”. Portanto, não há mais desculpas para deixar seu animal com os dentes em situações precárias.
Ao contrário do que pensam, cuidar da saúde oral de seu cão sai muito mais em conta que seu dentista.
A aparência e a função são as mesmas da do ser humano. 

“Existem casos parecidos com o dos seres humanos, mas em geral, a função de um tratamento ortodôntico é promover conforto, saúde e estética para o paciente”, afirma o dr. Herbert Corrêa. Porém, as idades variam: “em geral, os tratamentos são indicados a partir dos 5 ou 6 mês de vida, quando ocorre a troca dos dentes de leite pelos dentes permanentes. Em alguns pacientes, o tratamento pode começar bem antes disso”, continua.
Prótese dentária

“A prótese é aconselhada nos casos onde houve fratura dentária, com perda significativa da coroa. Ela serve tanto para devolver a funcionalidade do dente, como também proteger o remanescente dentário e o canal do dente (normalmente tratado nestes casos)”, revelou o dr. Alexandre Venceslau.

Dicas

Se você não se preocupa muito com a saúde bucal de seu animal, a dica é que você passe a se preocupar um pouco mais com isso. 

Um plano de manutenção e prevenção é muito recomendado!

 “Uma escovação dental diária, com uso de pastas e escovas ESPECÍFICAS para animais, bem como a visita regular ao médico veterinário especializado, geralmente feita a cada ano. Com esses cuidados, o proprietário estará garantindo uma boa saúde oral ao seu animal, que reflete na saúde geral, além de proporcionar melhora considerável na qualidade de vida dele”, revelou o dr. Alexandre.
Aquadent e Tiras de Couro
Para o dr. Herbert a prevenção começa em casa mesmo: “fornecer tiras de couro para mastigar ajudam a limpar os dentes. Outra dica é o uso de Aquadent, que é um produto a ser colocado na água de beber que ajuda no controle da placa bacteriana”.

Este produto custa em torno de 45 reais e chega a durar 50 dias.
Olha que coincidência! A propaganda do produto tem um PUG!
Tem um blog muito interessante sobre odontologia veterinária, quem quiser saber mais pode clicar aqui.

Fonte: CachorroBlog, Farmavett, Blog da Karine Lima, Dra. Priscilla Direnna, Saúde Abril, Cachorro Ideal, Cães Gatos e Cia, M de Mulher e Blogs Jovem Pan.